Mobilização Precoce em Pediatria – Parte 2

;

Mobilização Precoce em Pediatria – Parte 2

Olá, intensivista, sou Ana Beatriz Salgueiro, fisioterapeuta, pós graduada  em Pediatria e Neonatologia, e estou de volta para dar continuidade ao tema Mobilização Precoce em Pediatria, como vimos no capítulo anterior (... rs) o Imobilismo leva à fraqueza muscular que afeta músculos periféricos e respiratórios acarretando piores desfechos clínicos que persistem mesmo após a alta hospitalar.

Todos nós sabemos que o foco da unidade de terapia intensiva é a estabilização do doente e o manejo da doença crítica certo? Com isso temos crianças muito sedadas, com drogas vasoativas, em ventilação mecânica e restritas ao leito por tempo prolongado. Tudo isso visando a segurança e estabilidade hemodinâmica. Essa era a visão que nós tínhamos no passado, pois imobilismo era sinônimo de segurança, porém hoje sabemos que traz inúmeros problemas, como a alteração do ciclo circadiano, aumento da ocorrência de delirium, maior risco de formação de úlceras de pressão, além dos distúrbios funcionais e cognitivos que podem durar por muito tempo pós internação.  

Pois bem, o tempo passou, os estudos e a tecnologia avançaram e, hoje sabemos que o quanto antes a criança voltar a realizar atividades, melhor!

Pra continuar a nossa conversa sobre mobilização precoce na pediatria, é necessário esclarecer que essa prática precisa ser aceita por toda a equipe da sua unidade de terapia intensiva pediátrica. Daí chego na minha SEGUNDA AFIRMAÇÃO: O OBJETIVO DA MOBILIZAÇÃO PRECOCE PRECISA SER ENTENDIDO E PRATICADO POR TODA EQUIPE INTERDISCIPLINAR.  

Mas agora, você sabe a diferença entre interdisciplinar e multidisciplinar?

Vamos lá, multidisciplinar significa que diversas condutas são tomadas de forma não linear entre si, ou seja, todos os profissionais envolvidos no cuidado do paciente tomando condutas independentes e que normalmente não se relacionam. Já, interdisciplinar significa que esses mesmos profissionais trabalham de forma que suas condutas combinem entre si, fazendo com que o tratamento do paciente tenha um sentido muito mais claro e eficiente.

A experiência mais forte que pude ter com relação a este tema, foi na minha visita ao Hospital Johns Hopkins, em Maryland nos Estados Unidos, onde pude observar que o processo de adesão dos profissionais com relação a mobilização precoce, acontece na verdade, muito mais pela mudança de cultura do que pela produção de um protocolo institucional. Assim cada profissional entendia dentro da sua rotina qual era sua importância e onde se inseria nesse processo, não sendo apenas uma decisão hierárquica pré determinada.

Desta forma, concluída a missão de entendimento por parte da equipe, que a ação é prioritariamente de todos focados em um objetivo comum, colocado esta premissa, convido você para seguir comigo ao próximo texto, no qual quero apresentar o ABCDEF Bundle e sobre ele falarei no próximo encontro!

Nos vemos em breve, até mais ...

Ana Beatriz de Oliveira Salgueiro

Fisioterapeuta

CREFITO-3: 218470-F

‘Acredito que fisioterapia de qualidade é feita com ciência e respeito’

Posts Relacionados

Mobilização Precoce em Pediatria – Parte 1
Você sabe o que é o Bundle?
Fisiointensiva
Redes Sociais

© 2019 - Fisiointensiva - Todos os Direitos Reservados